sábado, 20 de fevereiro de 2010

# 4

você me pede um poema de amor

n
a
u
f
r
á
g
i
o

fico preso em um escafandro antipoético
inexpugnável
mergulhado nas profundezas de um mar
onde a falta de palavras é maior que a de luz
não há peixinhos coloridos ou sereias
ou poseidon ou netuno
sequer corda pra me trazer à tona

o poema de amor?
não sei
mas se tivesse um cachorro
com certeza ele o teria comido

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

# 3

fui arrebatado,
tomado de terror
tão violento foi
seu silêncio
após me ouvir dizer:
eu te amo

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

post-it

escrevi
uns versos
pra lembrar
que vivo