quinta-feira, 17 de março de 2011

o nada

o universo definha
é consumido por um buraco negro cosmofágico
não há voz que não falhe
calor que não queime
abraço que conforte
água que alivie
explosão que não consuma
o tudo
diante da morte